Por mais incrível que pareça, em pleno século XXI, a ressonância magnética ainda é desconhecida. Por isso, motivo de medo para muitas pessoas. O equipamento de aparência futurística até pode parecer ter saído de um filme de Hollywood. Mas sua funcionalidade não é nada ficcional.

O exame é uma excelente técnica de diagnóstico por imagem, aplicado em pacientes com suspeita de diferentes patologias. O material é gerado em alta definição e, sendo assim, ajuda a identificar fatores como lesões, tumores e adversidades em diferentes órgãos.

Como funciona o exame de Ressonância?

Uma das principais vantagens da ressonância magnética em relação a outros exames, como a tomografia ou a radiografia tradicional, é que, ao longo do procedimento, os tecidos internos do corpo não são expostos à radiação dos raios-X.

Já que o ser humano é composto por cerca de 70% de água, temos o hidrogênio como um dos átomos mais abundantes em nosso organismo, e o equipamento utilizado cria um campo magnético capaz de alinhar os prótons dos átomos de hidrogênio. Em seguida, é emitido um pulso de radiofrequência que faz com que os prótons se movimentem e emitam uma corrente elétrica. É ela que gera um sinal e, com isso, produz a imagem do exame.

De que maneira é feito o procedimento?

Além de não invasivo, o procedimento ainda é indolor. Existem pacientes que se sentem desconfortáveis, uma vez que é necessário permanecer alguns minutos na mesma posição no interior de uma aparelhagem parcialmente fechada.

É preciso retirar todas as joias e vestir um avental adequado. Caso o paciente faça uso de prótese ou marcapasso, tal informação deve ser repassada ao médico. É comum que os profissionais recomendem o uso de protetores auriculares ao longo da ressonância magnética, pois colabora para diminuir o desconforto gerado devido aos barulhos emitidos pelo equipamento.

Doenças que podem ser diagnosticadas

É possível que se observem todos os tecidos moles do corpo através da ressonância magnética, pois são ricos em água. Portanto, o exame é indicado para o diagnóstico de doenças nos músculos, no fígado, no cérebro, na bexiga, nos rins, nos ligamentos e nos tendões. Outras patologias passíveis de serem encontradas são:

  • Aneurismas;
  • Derrames;
  • Doenças cardíacas;
  • Malformações
  • Tendinites;
  • Tumores.

Ressonância Magnética
Exame de ressonância

Baixe Savme